Milorad Trkulja (foto acima) foi confundido nas buscas do Google com membros da máfia australiana e, por conta disso, a Suprema Corte de Melbourne iniciou um processo contra os problemas causados por esse desagradável incidente.

Em 2004, Milorad Trkulja foi associado por um desconhecido como membro do crime organizado, mais precisamente com o chefe da máfia australiana, Tony Mokbel. Naquele ano muitas pessoas foram assassinadas no país por conta desses grupos.

Ao buscar seu nome no Google, apareciam imagens do criminoso, e isso perturbou a vida de Trkulja, e isso o levou a processar a gigante da internet, já que garante não ter nada a ver com Tony Mokbel, alguém que ele só conhece pela TV e pelas notícias relacionadas com atividades ilícitas.

 

 

Inicialmente, as tentativas de Trkulja para punir a Google foram negadas pelo Tribunal de Apelação de Victoria, um dos seis estados australianos. Hoje, o Tribunal Supremo permitiu que a denúncia siga adiante.

Não é a primeira vez que Trkulja processa a Google. Em 2012, ele ganhou a apelação relacionada com o caso atual. Naquela oportunidade, o recurso de autocompletar do mecanismo de buscas também o relacionava com personalidades suspeitas, textos difamatórios e imagens relacionadas com criminosos organizados.

Já a Google segue lutando para obter imunidade, alegando que não houve a intenção difamatória. Vamos ver se o problema estará resolvido quando pesquisarmos por Milorad Trkulja na internet, e os resultados no Google serão justamente sobre esse processo.