Vertu

O fabricante de celulares de luxo Vertu nasceu pelas mãos da finada Nokia, e se destacava por oferecer dispositivos extravagantes e com materiais exóticos.

Porém, a demanda de telefones ultra caros era realmente baixa, e a empresa não pensou nisso. Tanto, que anunciou o fim de suas atividades, demitindo os mais de 200 funcionários que desenvolviam e fabricavam a mão os dispositivos.

A Vertu nasceu em 1998, bem antes da era dos smartphones. Chegou em uma época em que a Nokia dominava o mercado com mão de ferro, ou quando ninguém imaginava que a empresa poderia simplesmente desaparecer.

A Nokia se desfez da Vertu em 2012, vendendo para o grupo privado EQT, que depois vendeu a empresa para a Godin Holdings em 2015. A marca só causou prejuízos desde então, e em 2016 foi vendida de novo para o empresário exilado turco Hakan Uzan.

 

 

Usan pagou 56,6 milhões de euros pela empresa, mas manteve os produtos com preços muito acima da realidade do mercado. Um exemplo claro dessa extravagância era o Signature Touch, smartphone construído à mão em couro e titânio, decorado com ouro e brilhantes. A versão especial desse modelo custava US$ 350 mil, e era entregue ao comprador de helicóptero.

Resultado: dívidas acumuladas em mais de 120 milhões de libras esterlinas nos últimos anos, e fim da trajetória de um dos fabricantes mais pitorescos do mercado mobile.

O fabricante desaparece, mas Uzan manterá para si o registro da marca Vertu, não descartando uma volta no futuro, ou até mesmo uma mudança para outro segmento. Veremos o que acontecerá nos próximos anos, mas pelo menos nesse momento a fabricação de telefones chegou ao fim. Por tempo indeterminado, e muito provavelmente com uma próxima venda da marca para saldar as dívidas.

 

Via The Verge