videos-nos-tablets

Com Netflix, HBO GO, Amazon Instant Video, YouTube e outras plataformas, é natural que a resposta da pergunta para o título desse post é um retumbante SIM. E a explicação é bem lógica: quando observamos o número de horas que as pessoas dedicam ao entretenimento com o smartphone, esses são números enormes, e o consumo de conteúdo audiovisual também aumenta, apesar de não ter uma posição de liderança como acontece com o consumo das redes sociais.

A divisão ConsumerLab da Ericsson ilustra esses números, que estão em constante movimento, mas que vislumbram essa tendência de troca de mídia pelo grande público.

 

O streaming cresce de forma imparável

crescimento-do-streaming

O streaming é uma realidade, então vamos deixar de falar dele como uma tendência de futuro. Apenas nos últimos três anos, a porcentagem de usuários que consomem conteúdos audiovisuais sob demanda cresceu 135%. Falando apenas das séries de TV (sem contar filmes e todo o resto), o crescimento é ainda maior. Algo nada depreciável.

De 2010 para cá, a combinação smartphone + tablet conseguiu concentrar quase 50% do consumo total de conteúdo audiovisual, e fixando nas tendências da chamada “geração millenial”, vemos que essa porcentagem vai seguir aumentando.

 

As novas gerações inclinam a balança a favor dos dispositivos móveis

crescimento-do-streaming-na-geracao-millenial

Se nos concentramos no consumo por idade, é fácil perceber o que acontece. Os jovens, iminentemente móveis em todos os seus comportamentos, são os que estão matando a TV tradicional. O modelo de consumo estático em tela grande tem mais protagonismo entre os mais velhos. As novas gerações, que deveriam ocupar esse espaço para manter o ciclo de audiência, tem outras tendências de comportamento.

Ou seja, o tempo vai passando, e a TV móvel vai ficar com a grande maioria do consumo de conteúdo. De forma tão inexorável como o passar do tempo, o modelo atual de TV está condenado à extinção. A não ser que se reinvente, é claro.

 

As vantagens de consumir televisão em um dispositivo móvel

Para começar, os serviços de vídeo on demand podem concentrar vários usuários por conta, onde cada um deles vai buscar a forma mais cômoda de consumir o seu conteúdo. Ou seja, ainda que a TV principal da casa esteja em pleno uso, os smartphones e tablets capturam mais e mais horas de visualização de conteúdo, fazendo com que os dispositivos móveis ganhem terreno a cada ano que passa, de forma inexorável.

Outro dado a se levar em consideração é que, enquanto a TV favorece o uso de uma segunda tela, o smartphone ou o tablet captam toda a nossa atenção, já que quanto mais horas a pessoa dedica ao consumo de conteúdo em telas portáteis, menos horas nos dedicamos aos dispositivos mais tradicionais, como a TV convencional.

 

A resposta das redes de TV

Sabendo dessa tendência, os canais de TV perderam muito tempo tentando frear a fuga dos usuários, oferecendo exatamente o que esses usuários queriam e encontravam em outros serviços. Agora, os canais que estão na nuvem são mais e mais frequentes, e o consumo sob demanda cresce.

Aplicativos lançados pelos canais tradicionais buscam manter o consumo dos seus próprios conteúdos que, por outra parte, também aparecem em outros provedores. Só é preciso ficar de olho no conteúdo da Netflix para encontrar um conteúdo de ótima qualidade, com produção própria, conteúdo tradicional e resolução de imagem maior que da TV tradicional.

 

Sua grande vantagem: são serviços gratuitos

videos-no-smartphone

Enquanto que serviços como Netflix e similares vivem de uma assinatura mensal, os aplicativos dos canais de TV se apoiam na publicidade. É bom para o usuário, que tem conteúdo de graça. mas ruim para o mesmo usuário, pois a publicidade segue o mesmo modelo da televisão, tanto em abundância como no fato de ser invasivo.

Porém, os próprios canais de TV apoiam o salto para o mobile, ou melhor dizendo, se adaptam de forma forçada. A TV não é consumida como antes, e os primeiros a notar isso foram os próprios canais, pese ao fato que a resposta deles não foi tão rápida quanto esperada. Formatos como o do YouTube, mais que consolidados, foram respondidas de forma tímida e quase destinada ao fracasso desde o começo. A TV já é móvel, ainda que as estatísticas digam que sua adoção seja algo lento.

 

As tarifas de dados, o último obstáculo

Sabendo da tendência no relativo ao consumo da TV no smartphone como algo ascendente, o único freio para que seja explorada de forma definitiva é mesmo as nossas tarifas de dados. Uma hora de vídeo em SD via 4G gera um consumo entre 700 MB e 800 MB de dados, enquanto que o conteúdo em HD supera com sobras 1 GB de dados por hora. Algo a ser solucionado no futuro com tarifas planas reais, que funcionem como uma ADSL móvel.

HBO, Netflix, Amazon Instant Video e outras. São muitas apostas de peso para transferir o consumo de TV para as plataformas móveis como para continuar preso na ideia que se trata de algo temporário. Não é de se descartar que daqui a alguns anos a TV como conhecemos seja um mero receptor do que vamos decidir enviar para o nosso smartphone. Conectar a TV e ver algo que outros programas sem o nosso consentimento pode acabar sendo coisa do passado.

Os dados estão aí. Só não vê quem não quer.