Na década de 1980, eu já pensava nos anos 2000, e imaginava como seria o futuro. Carros voadores, skates voadores, casas na lua e robôs que faziam tudo. Tá, nada disso aconteceu, mas em compensação, outros segmentos da tecnologia evoluíram, e compensaram a frustração de não viver hoje como os Jetsons.

Logo, concluo que, mesmo com todo o avanço que vamos ter nos próximos anos, algumas coisas seguirão imutáveis em nossos computadores, eletrônicos de consumo e equipamentos profissionais. Você não pode deter a evolução tecnológica, mas não vamos conseguir deixar de lado elementos que permanecerão vivos em nosso dia a dia por, pelo menos, mais 18 anos. Nesse post vamos tentar analisar quais são as tecnologias que vamos continuar utilizando em 2030. Exceto é claro se o mundo for vítima de um apocalipse zumbi, ou de uma guerra termonuclear, ou até mesmo pela infestação de clones do Ned Flanders.

Teclados QWERTY

Pode vir o reconhecimento de voz, de escrita e o controle de gestos. Nada será mais preciso ou popular nas próximas duas décadas do que o teclado QWERTY. Talvez ela só seja substituída por uma tecnologia que permite o digitar de textos com a mente. Até lá, a melhor forma de você fazer um texto é digitando mesmo. Até porque ninguém consegue falar a mesma coisa que escreve, o que anularia o controle de voz como solução ideal.

Mesmo que os teclados físicos fiquem ameaçados, os teclados virtuais estão aí para fazer a tradição do QWERTY ficar viva no mercado. E mesmo assim, os fabricantes de produtos maiores, como notebooks, não vão abandonar as teclas de plástico. E independente do fato de ser real ou virtual, vai ser difícil a humanidade se livrar do sistema de teclado QWERTY, que está entre nós desde 1878.

PCs

Alguns dizem que já vivemos a era pós-PC. Muito pelo contrário. Apesar das pessoas gastarem hoje mais tempo diante de seus smartphones do que em computadores com Windows ou Mac OS, quando essas mesmas pessoas precisam trabalhar “de verdade”, principalmente em atividades multitarefa, eles recorrem ao bom e velho PC, que segue sendo o rei da produtividade, e vai continuar a ser por muito tempo.

Em 2030, o tamanho e o formato dos PCs pode mudar. Muitos ainda podem argumentar que, com processadores tão velozes, os smartphones podem vir a se tornar autênticos PCs. Mas, independente de tudo isso, para aqueles que precisam produzir no seu dia a dia, sempre vai recorrer para os recursos e características de um sistema operacional completo. Que só existe, por enquanto, em um PC.

Portas USB

Mais de 15 anos depois de seu lançamento, não podemos mais imaginar as nossas vidas sem o USB. A tecnologia se tornou a padrão para a transferência de dados e alimentação de energia de quase qualquer produto eletrônico, desde smartphones e tablets até as pequenas baterias recarregáveis, passando por HDs externos e monitores. Alguns acreditam que o Thunderbolt vai vencer no futuro, mas com a disseminação que as portas USB possuem hoje, podemos dizer que esse futuro será bem distante.

Armazenamento local

Os serviços na nuvem estão se tornando mais presentes, e as conexões de internet cada vez mais rápidas, e muitas pessoas acreditam que, no futuro, todos os nossos arquivos ficarão online. Não é bem assim. Pense nos seus arquivos mais importantes, como trabalhos de conclusão de faculdade, contratos e notas fiscais essenciais. Você não quer correr o risco de perder tudo, de forma inesperada, sem aviso prévio, certo?

Mesmo se você tiver uma conexão de internet de outro planeta, o armazenamento local ainda será a forma mais rápida e segura para armazenar os seus dados realmente relevantes. Até mesmo para a diversão e o entretenimento, como vídeos pesados e jogos de grande volume, é melhor salvar tudo no disco rígido do PC (ou unidade SSD) do que mandar tudo para a nuvem. E, mesmo em 2030, certamente você pode ir para algum lugar onde a conexão com a internet é indisponível ou deficiente o suficiente para afirmar que ela não existe. E aí, você fica a ver navios, com os seus arquivos todos na nuvem.

Arquivos de imagens em JPEG

Mesmo com o aumento da capacidade de armazenamento e maior velocidade de internet, o formato de imagens JPG (ou JPEG) seguirá sendo dominante. Afinal de contas, depois de passar parte da década de 1990 buscando o formato ideal, não vai ser no futuro que vamos abandonar algo que está funcionando tão bem.

Em 2030, nossos filhos e netos vão continuar a tirar fotos no formato JPG, e enviando para nós, nas redes sociais, blogs e sites. Por que? Porque será muito mais simples. Mesmo com uma internet de velocidades absurdas, nem nossos netos vão querer enviar uma foto em RAW, não é mesmo?

Baterias de Lítio-Ion

Em 2030, tal como acontece hoje, praticamente todos os gadgets, veículos e produtos eletrônicos contarão com bateria de lítio. Com o passar dos anos, a capacidade de armazenamento dessas baterias, e principalmente, a vida útil das mesmas aumentou de forma considerável. Hoje, temos mais mAh em espaços menores, e o ciclo de recargas é cada vez maior. Esse é o tipo de tecnologia que não para de progredir, e tem o seu mercado garantido por muitos anos. E olha que esse desenvolvimento começou na década de 1970.

Sites baseados em HTML

O formato HTML segue sendo o mais usado para sites e blogs dos mais diversos temas e finalidades. Primeiro, porque foi o formato adotado em 1991 como a “linguagem universal” das páginas na web, e permanece sendo o mais comum para aplicativos online e publicações. Segundo, porque os programadores web vão aprender essa linguagem cada vez mais cedo, antes de partir para outra linguagem, o que vai perpetuar o seu uso por um bom tempo.

Dinheiro

Money, Money, Money! Mesmo que o dinheiro de plástico ou os cartões de débito sejam completamente substituídos pelos sistemas de pagamento em dispositivos móveis, não tenha dúvidas: alguns trocados você vai carregar na carteira em 2030. Por que? Simples: porque vamos precisar disso no futuro.

Pense comigo: o dinheiro é a melhor forma de você efetuar pagamentos de forma anônima, em qualquer tipo de transação. Você não precisa nem dar o seu nome se você paga alguma coisa em dinheiro. As instituições financeiras e governamentais certamente vão amar o fim do dinheiro físico, por diversos motivos. Porém, o dinheiro de papel moeda é a única forma que um terceiro não se envolver na sua compra.

Notebooks no formato “clamshell”

Os notebooks em formato “chamshell” (ou “concha”) são, hoje, os computadores mais vendidos do mundo (de qualquer modalidade de computador). Mesmo que os PCs eventualmente sejam extintos por causa dos tablets ou desktops no estilo All in One, os notebooks ultrafinos e ultraleves jamais serão substituídos, sendo a ferramenta de trabalho ideal para quem quer produtividade em qualquer lugar.

O notebook “clamshell” nasceu em 1982, com o modelo Grid Compass 1011, e é difícil imaginar ver esse produto obsoleto no futuro. Mesmo porque, no passado, poucos imaginavam que ele fosse ser tão fundamental para o mercado.

Wi-Fi

Desde 1997, o padrão 802.11 domina o mundo da conectividade sem fio. Todo smartphone, tablet ou notebook fabricado a partir desse ano vem com o padrão 802.11g ou 802.11n pelo menos, e boa parte das residências contam com um roteador de internet sem fio. Em 2030, todas as casas contarão com acesso à internet Wireless.

Utilizamos hoje o Wi-Fi para ver vídeos, conectar dispositivos, navegar na internet, compartilhar arquivos entre dispositivos e outras finalidades. No futuro, isso só vai se tornar mais difundido e propagado, e as tecnologias de internet móvel de alta velocidade não vão substituir os benefícios de uma conectividade plena e sem gastos adicionais (exceto pela conta de internet residencial, é claro).

Email

Com a popularidade do Facebook, Skype, Twitter, WhatsApp e outros recursos de mensagem instantânea, muitos podem pensar que o email está em estágio de extinção. Entretanto, quando precisamos enviar ou receber um documento importante, e precisamos de um registro permanente desse envio ou recebimento, recorremos ao velho email, para a nossa segurança e praticidade.

O email é da década de 1970, e está disponível em diversos protocolos, o que amplia o leque de opções. Dá para imaginar um futuro onde você precisa fazer login no Facebook para mandar uma mensagem para um cliente ou o seu chefe? Até dá. Mas, pelo menos por enquanto, o email vai te dar uma maior autenticidade, e suas chances para ser levado a sério são maiores.

Conectores de áudio 3.5 mm

Para quem gosta de música, nada substitui o prazer de ouvir por horas e horas a sua playlist musical (ou, pelo menos, a autonomia que o seu dispositivo oferece na bateria). Temos os fones Bluetooth, mas eles contam com autonomias de bateria limitadas. Os fones USB podem ser a melhor solução para notebooks, tablets e media players, mas no caso deos players portáteis, além de serem compatíveis com todo o tipo de equipamento, os conectores de áudio de 3.5 mm são mais baratos, e ainda serão funcionais. E serão, pelas próximas duas décadas, pelo menos.

Impressoras a laser

Ok, você não imprime mais nada em papel. É tudo digital, seja nos documentos (PDF) quanto nas fotos (JPG). Mas as impressões em laser ainda serão necessárias para algumas atividades. As impressoras a jato de tinta devem desaparecer do mercado, mas para imprimir em papéis térmicos ou fotográficos, ou em atividades mais específicas, as impressoras em laser serão o padrão a ser escolhido. Por serem mais modernas e mais ecológicas.

TVs

Você pode não mais ver TV na sua casa. Mas até mesmo a TV está mudando. Está deixando de ser apenas aquele eletrônico para ver os programas e filmes para se tornar a central de entretenimento completa, onde conectamos smartphones, tablets, media players, videogames e outros dispositivos de áudio e vídeo. Além disso, a TV se tornou mais um equipamento conectado de nossas residências, o que aumenta a sua gama de possibilidades. Como a TV no futuro tende a ser maior, e com melhor qualidade de imagem, ela pode ser mais uma ferramenta do seu trabalho, como um grande monitor para atividades profissionais no seu computador.

Microsoft Office

Por fim, depois de uma guerra nuclear (ou atômica), quando tudo acabar, apenas duas coisas vão sobreviver no planeta Terra: baratas… e o Microsoft Office. Destruiu produtos como Lotus e WordPerfect na década de 1990, e é o produto mais vendido entre os softwares da Microsoft hoje. Você até pode dizer que vive bem como Google Docs (ou GDrive) e o OpenOffice, mas se você quer um trabalho com resultados profissionais, não tem jeito: quem manda é o Microsoft Office .

Baseado nos dados do post do Gizmodo